3 Dicas para usar melhor o seu 13º salário

Para quem trabalha com carteira assinada, final de ano é uma época que tem tudo para ser financeiramente tranquila. Isso porque as empresas são obrigadas a pagar aos seus funcionários o tão esperado 13º salário, que serve como um complemento da renda nessa época do ano cheia de comemorações e gastos. Quer saber como usar melhor esse dinheiro extra para não passar aperto nos próximos meses? Descubra no artigo de hoje!

Imagem-13o-salario

 

1. De olho nas dívidas

 

Mesmo com dívidas em atraso, muitas pessoas insistem em fazer compras nessa época de grande procura de produtos, em que os preços costumam ser mais altos do que em outros meses do ano.

Se você tem algum tipo de dívida cara como o cheque especial ou está usando com frequência o rotativo do cartão de crédito, use o dinheiro do 13º para sair do vermelho de uma vez por todas, e se possível, quitar todas as suas dívidas.  E para não voltar a se endividar tanto com o cheque especial quanto com o cartão de crédito, a melhor saída é pedir o seu cancelamento junto ao banco. No começo vai ser difícil, principalmente se você está acostumado a fazer compras parceladas, como no caso do cartão de crédito, mas aos poucos você se acostuma. Essa atitude, com certeza, lhe trará muitos benefícios ao longo do tempo conforme você organiza suas finanças, pois a grande maioria dos brasileiros têm problemas com excesso de crédito.

Se você está com a situação financeira tranquila e tem dívidas controladas como financiamento de veículo ou alguns produtos parcelados no cartão de crédito, não há necessidade de usar o valor do 13º para abater alguma parcela. Se for às compras, opte por comprar à vista para não começar o ano com uma parte do salário comprometida com as parcelas dos presentes de natal. Se possível peça desconto já que está realizando uma compra à vista. Muitos varejistas concedem um bom desconto.

Se você está com alguma conta em atraso, como as contas de água, energia elétrica ou telefone, efetue o pagamento o quanto antes para não ficar sem esses serviços. Caso você more em prédio e esteja com o condomínio atrasado, pague o mais rápido possível, uma vez que, com a nova lei do condomínio, o risco de penhora do imóvel em caso de atraso é maior, e esse é o tipo de inconveniente que ninguém gostaria de passar.

 

2. Se planeje para janeiro

 

Depois das festas de final de ano, chega o mês mais temido de todos: janeiro. E junto com ele vêm as contas como IPTU, IPVA, matrícula escolar, reajuste na mensalidade da escola e/ou faculdade, compra de material escolar, entre muitas outras. O ideal é que, ao longo do ano, você guarde uma parte do salário todos os meses para pagar essas contas. Assim fica mais fácil se programar para esse mês.

Como muitas pessoas não conseguem fazer isso, é importante reservar uma parte do 13º para essas despesas. Ah, e não esqueça que se você comprou os presentes de Natal no crédito, é, provavelmente, em janeiro que as contas chegam. Assim, eu lhe pergunto – O que você prefere: gastar todo 13º só com presentes e roupas, ou se planejar para começar o ano com todas as contas pagas e sem dor de cabeça?

Planejamento é essencial para o começo do ano não se tornar um pesadelo. Você pode conseguir grandes descontos ao pagar algumas contas à vista. No estado de São Paulo, o governo dará desconto de 3% para quem pagar o IPVA de 2018 em uma única parcela.

Caso o contribuinte não tenha condições de pagar de uma vez só, será possível parcelar em 3 vezes, mas sem nenhum desconto. Esse desconto vale muito a pena, pois a taxa Selic em 7% ao ano dificulta a oferta de investimentos que paguem os mesmos 3% em três meses.

Verifique no seu estado ou cidade os descontos para o pagamento à vista tanto do IPTU quanto do IPVA e veja o que mais se encaixa no seu orçamento. No caso do material escolar, o pagamento à vista proporciona um poder de barganha muito maior na hora de negociar de descontos com a loja.

 

3. Comece a investir

 

Nada melhor do que guardar um dinheiro para alcançar os objetivos traçados, correto? Se você nunca conseguiu guardar dinheiro na sua vida, está aí uma oportunidade imperdível. O primeiro passo é criar a sua reserva de emergência, que é aquele dinheiro que será usado para eventuais “dores de barriga” que venham a surgir como desemprego, problemas de saúde, etc. Para essa reserva em especial, procure investimentos que possuam liquidez diária, uma vez que o saque pode ser solicitado a qualquer momento. Alguns exemplos de investimentos para reserva de emergência são:

  • Tesouro Selic;
  • CDB (Certificado de Depósito Bancário com liquidez diária).

É muito ruim sentir todos os dias a sensação de insegurança financeira, vivendo sempre no limite do dinheiro. Caso você não tenha essa reserva e precisar consertar um vazamento na sua casa, por exemplo, provavelmente vai ter que pegar um empréstimo para pagar toda a obra. E se antes você já vivia no limite, agora terá que cortar coisas do seu dia a dia que nunca passou pela sua cabeça. Para que isso não aconteça, não tem momento melhor para começar a guardar dinheiro. O ideal para uma boa reserva de emergência é acumular pelo menos o equivalente a 12 vezes os seus gastos mensais. Assim, caso precise para alguma eventualidade, você terá plenas condições de superar esses percalços, pois tudo é passageiro.

Se você já tem uma reserva de emergência e está pensando nos objetivos de prazos mais longos, existem diversos títulos que oferecem rentabilidades bem atrativas, mas liquidez apenas no vencimento, como:

  • RDB (Recibo de Depósito Bancário);
  • LCI (Letra de Crédito Imobiliário);
  • LCA (Letra de Crédito do Agronegócio);
  • LC (Letras de câmbio).

 

Fonte: Blog App Renda Fixa

Deixe uma resposta